quinta-feira, 28 de junho de 2012

A contribuição do biomédico no diagnóstico de cardiopatias


        Um fato ocorrido em outubro de 2004, teve ampla repercussão nacional e causou preocupação no meio esportivo em geral, o jogador de futebol Paulo Sérgio Oliveira da Silva, conhecido como Serginho, zagueiro da Associação Desportiva de São Caetano, teve sua morte precoce nos gramados do estádio do Morumbi devido ao um problema cardiológico não diagnosticado. Este é um fato que agrava cada vez mais o mundo dos esportes, pois atletas de competição estão sujeitos a terem infartos ou arritmias três vezes mais que a o restante da população, ocorridos principalmente pelo excesso de atividade física, uso de esteróides anabolizantes, atualmente em menor proporção e com ocorrências maiores em atletas não profissionais, que visam melhorar o rendimento físico sem um acompanhamento especializado, principalmente a falta de uma equipe que oriente da forma adequada a estes atletas.
         Pesquisa feita pela Sociedade Européia de Cardiologia (SEC) mostrou que os esteróides anabolizantes são as substâncias mais perigosas para os atletas, sendo estes os maiores responsáveis pelos ataques do coração. O relatório europeu mostra também que a prática de esportes reduz os riscos do aparecimento de doenças cardíacas. Pessoas que fazem atividades físicas moderadas têm 40% menos chances de morrer de problemas no coração, na comparação com pessoas que não praticam nenhum tipo de esporte.
         Observa-se o crescimento de praticas esportivas e seu entusiasmo que tem contaminando alguns aprendizes de atletas, principalmente com o Brasil sediando dois dos maiores eventos esportivos, a Copa do Mundo de Futebol e as Olimpíadas. A qualificação profissional para atender a essa parte da população abre um campo enorme principalmente para a atuação do Biomédico. Juntamente com outros profissionais da área da saúde e esporte (Fisioterapeutas, Fisiologistas, Médicos e Professores de Educação Física) podem contribuir, sobretudo com a prevenção de problemas cardíacos.
         Este é o momento em que o Biomédico deve ser visto como profissional capacitado, pois auxilia significativamente outros profissionais a ter um diagnóstico preciso de cardiopatias e de outras doenças, ajudando também a estabelecer estratégias de prevenção através de suas análises de marcadores cardíacos ou em uma simples dosagem de potássio e sódio, e no desenvolvimento de protocolos para garantir a qualidade em exames de imagens, como na medicina nuclear, tomografia computadorizada e ressonância magnética. A queda da mortalidade por doenças cardiovasculares deve ser considerada uma grande conquista e principalmente o aumento de sobrevida da população deve ser reconhecido e divulgado os esforços do Biomédico para melhorar ainda mais esta realidade.
Texto baseado na disciplina ‘Biomedicina do Exercício no Esporte’ ministrada pelo Prof. Dr. André Bellin Mariano.

Aluna: Karina Grecco Fernandes Coelho

Orientador: Prof. André Bellin Mariano, D.Sc

Referência: Arritmia em atletas, http://agencia.fapesp.br/ 08/09/2005

Nenhum comentário:

Postar um comentário