terça-feira, 10 de julho de 2012

Garantia da Qualidade


O objetivo de toda empresa é atender com qualidade e excelência às necessidades do seu público alvo, ou seja, seus clientes. Segundo Campos (1999), o verdadeiro critério da boa qualidade é a preferência do consumidor e é isto que garantirá a sobrevivência de uma empresa: a preferência do consumidor pelo seu produto em relação ao seu concorrente, hoje e no futuro.
Para que a qualidade seja alcançada, todos os processos devem ser idealizados e registrados, com a validação da diretoria, porém, estes procedimentos não serão eficazes se não houver controle de que todas as atividades estão sendo executadas com competência e compromisso pelos colaboradores.
De acordo com Campos (1999), controlar uma organização significa detectar quais foram os fins, efeitos ou resultados não alcançados, analisar estes maus trabalhos buscando suas causas e atuar de tal modo a melhorar os resultados. Isto é o controle da qualidade total, que nada mais é que um processo sistemático de verificação com intuito de determinar se os produtos ou serviços atendem ou superam as expectativas dos clientes.
Muitas empresas possuem um departamento dedicado à garantia da qualidade visando aumentar a confiança e a credibilidade perante seus clientes e, também, para identificar falhas, melhorar processos de trabalho, reduzir custos, e conquistar diferenciais para prostrar-se mediante a concorrência.
A garantia da qualidade foi inicialmente introduzida na Segunda Guerra Mundial, quando as munições começaram a ser inspecionadas e testadas para identificação de defeitos antes de seguirem para os campos de batalha.
Desta mesma forma, atualmente, os sistemas de garantia de qualidade enfatizam identificar, antecipadamente, os defeitos de seus produtos ou serviços, antes mesmo que eles cheguem ou atinjam aos seus clientes.
A ferramenta mais popular para determinar a garantia de qualidade é o Ciclo de Shewhart, desenvolvido pelo Dr. W. Edwards Deming que consiste em quatro etapas: “Plan, Do, Check, Act”, que  significam:
• Planejar: Estabelecer objetivos e processos necessários para alcançar os resultados desejados.
• Fazer: Implementar o processo desenvolvido.
• Verificar: Monitorar e avaliar o processo implementado, analisar os resultados em função dos objetivos pré-determinados.
• Agir: Aplicar as medidas necessárias para a melhoria dos resultados sempre que mudanças forem exigidas.
O PDCA é um método eficaz para o monitoramento da qualidade pois analisa as condições existentes e os métodos utilizados para fornecer o produto ou serviço.
Seu objetivo é assegurar que a excelência é inerente a todos os componentes do processo, além disso, o ciclo PDCA é repetido por toda a vida útil do produto ou serviço.
Muitas decisões dentro de uma empresa são baseadas em dados e, se estes não registrados e controlados adequadamente, tais decisões podem ser tomadas de forma incorreta, resultando em riscos para a saúde humana ou o ambiente, ou ainda para a saúde financeira da empresa.
Este texto foi baseado na disciplina “Prática Industrial” ministrada pelo Prof. André Bellin Mariano.
Aluna: Cristiane Azevedo, acadêmica de Biomedicina (2011)
Orientador: Prof. André Bellin Mariano, D.Sc.

REFERÊNCIAS
CAMPOS, Vicente Falconi. TQC:Controle de Qualidade Total (no estilo japonês). Belo Horizonte, MG. Editora de Desenvolvimento Gerencial, 1999. 230p.
ALEXANDER, J. Quality Assurance (QA). 2007. Disponível em: http://searchsoftwarequality.techtarget.com/definition/quality-assurance Acesso em 04/09/11 às 22h29.
KIETZMAN, Shannon. What is Quality Assurance. 2011. Disponível em: http://www.wisegeek.com/what-is-quality-assurance.htm . Acesso em 04/09/11 às 22h29.
Site http://www.epa.gov/QUALITY/bestlabs.html. Acesso em 04/09/11 às 22h29.

Nenhum comentário:

Postar um comentário